Educação Condutiva - com amor

Quero escrever sobre Educação Condutiva porque me apaixonei por este método, cheio de amor, que tem atendido aos meus filhos com p.c. Quero descrever o que tenho estudado, aprendido, escutado e sentido ... Tenho a vontade de abraçar o mundo e fazer com que todas as crianças na mesma condição motora de meus filhos, tenham a chance de receber toda esta inteligência, técnica, forma de agir, pensar e sentir, que com todo carinho o Dr. Andras Peto deixou de herança.

Thursday, November 09, 2006

Pachamama*, que exemplo!


Aqui no hemisfério norte o inverno está chegando e as árvores estão se despindo...

Elas estão deixando de lado toda aquela beleza e jovialidade de suas folhas, que estavam tão frescas no verão...

As folhas que dançavam de acordo com o vento, que juntas faziam música para aqueles que passeavam sobre suas sombras...

As folhas passam por um degradê de cores, e do verde vivo, quase fosforence do pós verão, era possível ver a energia e a clorofila respirar, a árvore estava vestida para uma festa de gala...

E as folhas então passaram para um verde opaco, quase 'velho', que parecia estar na árvores há muito tempo, e que já demostrava maturidade, entendimento, porém conservadora com aquela nova veste...

Com o outono então as folhas se transformam em um lindo tom de amarelo, já sóbrio e preparado para uma nova ocasião, era o momento de se deixar levar pelo envelhecimento que logo se transformou em um amarelo fosco, maduro, sábio e paciente...

Era então a vez de colocar a última vestimenta, de cor marrom, com pouca força, quase sem vida, balançando de acordo com o grupo, sem energia própria, esperando a vez de mudar...

E elas assim ficam em uma vai e vém, tanto tempo por um triz, penduradas nas árvores até esperar que sopre o vento e seja a hora de cair...

No chão uma reunião, uma montanha, uma família que se une...

Pela primeira vez elas estão lá todas juntas, de sorriso feito com seu trabalho cumprido, e sem vida já...

Em pouco tempo as árvores já estão desnudas, mostrando sua bela forma, os galhos fortes e vivos, viris, torneados, prepotentes, contudo uma feição zangada se arma contra o frio, a neve, o vento...

Toda essa tranformação mostra a força da vida! Não só a força, mas a rapidez com que ela vem e vai, e o ciclo que ela oferece para àqueles que dão a chance de esperar pra ver. Na próxima estação tudo recomeça...

Pachamama (significa mãe natureza na linguagem dos incas) que força! Que exemplo!

2 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Que poetisa que vc está minha irmã!!!

12:58 PM  
Blogger LeticiaBúrigoTK-1288 said...

Sil,
Sabes que a minha intenção nem foi poética, mas realista!
Uau, poetisa eu então, show heim...

4:21 PM  

Post a Comment

<< Home