Educação Condutiva - com amor

Quero escrever sobre Educação Condutiva porque me apaixonei por este método, cheio de amor, que tem atendido aos meus filhos com p.c. Quero descrever o que tenho estudado, aprendido, escutado e sentido ... Tenho a vontade de abraçar o mundo e fazer com que todas as crianças na mesma condição motora de meus filhos, tenham a chance de receber toda esta inteligência, técnica, forma de agir, pensar e sentir, que com todo carinho o Dr. Andras Peto deixou de herança.

Monday, November 13, 2006

Criança ativa e participativa


Muitas vezes me sinto despreparada para incluir meus filhos nas brincadeiras que eles gostam de fazer. Fico pensando várias alternativas e muitas vezes acabo mais complicando do que ajudando. Vejo que é uma tarefa que tenho em transformar uma brincadeira que parece parada para alguma com movimento. Como por exemplo: fazer um livro 'falar' ou um jogo de cartas 'dançar'.

A Educação Condutiva busca transformar o indivíduo de sua forma passiva para uma forma ativa. São algumas formas de envolver a criança em um meio que ela seja útil, compreendida e percebida.

Partem do princípio de enxergar a criança como um indivíduo dotado de conhecimento, para então estabelecer a ele objetivos realistas, procurando entender e se fazer perceber de sua condição . O condutor auxilia de forma passiva, mas com um teste de desempenho e qualidades ativos. Está sempre buscando motivação e recompensando às tentativas. Os recursos utilizados devem ser escolhidos adequadamente para que não se obtenha frustração, buscando tornar a criança participativa.

Me vejo na atividade de auxiliar meus filhos a pintar um desenho. Segurar um lápis parece simples, mas ele é fino e liso, só escreve se estiver em pé e ainda quando colocada uma certa pressão. Um giz de cera é gordinho e não escorrega das mãos, facilita a forma de pegar, pode escrever com pouca pressão ou mesmo de lado. A criança então pinta e consegue ver uma tarefa realizada por ele mesmo (ou com algum auxílio). Satisfação e aprendizado, usando os recursos adequados.

E o que a criança precisa para se sentir participativa ? Ela precisa se sentir interessada, motivada e estimulada. Mas acima de tudo, precisa de segurança. Estar bem sentada, bem posicionada e confiante de que ela tem condição de fazer. As atividades devem estar dentro do seu nível de habilidades, as funções motoras devem ter propósito e intenção, visando proporcionar uma experiência positiva. Atenção e concentração também devem ser trabalhadas.

Nós sempre recebemos muitos elogios em relação ao desenvolvimento cognitivo de nossos filhos, e estamos sempre buscando unir todas estas habilidades, mas sei que muito nos falta desenvolver os exercícios motores em nosso dia a dia. Atividades simples, mas em um mundo competitivo em que o vencedor é aquele que faz primeiro e mais rápido. É neste mundo que vamos sobreviver e continuamos aprendendo, com o tempo.

2 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Letícia, querida!
Só para pensarmos um pouco...

Será que o mundo é feito só pelos que chegam primeiro e mais rápido?
Será que não há o mundo dos que trabalham cooperativamente? E que o sucesso do outro implica no meu sucesso também?
Será que não existe um mundo da criatividade, onde a imaginação cria pernas e braços? E que produzem?E que vão bem longe?
Eu creio que sim!
E nesse mundo eu vejo muita gente fazendo sucesso.

Bjs
Gracia

6:37 AM  
Blogger LeticiaBúrigoTK-1288 said...

Gracia,
E é pra todos os mundos que devemos estar prontos não é... Ou pelo menos conscientes.
De forma ativa e participativa!
Vamos seguir informando, ensinando, conscientizando, pra que nosso futuro e de nosso filhos seja ainda melhor!
;)

4:20 PM  

Post a Comment

<< Home