Educação Condutiva - com amor

Quero escrever sobre Educação Condutiva porque me apaixonei por este método, cheio de amor, que tem atendido aos meus filhos com p.c. Quero descrever o que tenho estudado, aprendido, escutado e sentido ... Tenho a vontade de abraçar o mundo e fazer com que todas as crianças na mesma condição motora de meus filhos, tenham a chance de receber toda esta inteligência, técnica, forma de agir, pensar e sentir, que com todo carinho o Dr. Andras Peto deixou de herança.

Monday, March 31, 2008

John, Gracia e eu


Na última sexta-feira recebemos em nosso Grupo de Estudos Com Amor, a pedagoga Gracia Maria Nascimento Corrêa para falar de seu mestrado em Educação, defendido no ano passado na Universidade do Vale do Itajaí. Sob o título de A Educação Condutiva como Possibilidade de Desenvolvimento e Inserção Social, ela investiga os princípios teóricos e metodológicos que norteiam a Educação Condutiva, organizando o primeiro material em língua portuguesa que possa subsidiar o trabalho de pais, professores ou profissionais em educação, implicados com a paralisia cerebral.

Com seus cinquenta e tantos anos, como ela mesmo dizia, se colocou no nível de uma estudante da pré-escola em processo de alfabetização. Escreveu seu mestrado organizando uma bibliografia escassa e de difícil acesso, onde ela foi pessoalmente buscar na Inglaterra, no México e na Hungria.

Nos encantamos com a presença dela, suas percepções e suas palavras. Obrigada Gracia. Entre tantos ensinamentos repito alguns:

"O condutor é o substituto da lesão cerebral. É ele que se coloca entre os neurônios e permite fazer as sinapses."
"A Educação Condutiva com seu pensamento sistêmico, dá valor ao processo, mais do que ao resultado."
"A Educação Condutiva muda a vida da gente. Fiz coisas que não são do meu feitio tímido."

E eu, escutando ela falar, me senti aliviada. Algumas vezes me sentindo ilhada, percebo que não sou só eu que me apaixonei por este método. Aliás, não sou eu. É ele, a Educação Condutiva que vira a cabeça da gente. Como eu, como ela, lembrei de John Lennon, músico, cantor, compositor, escritor e ativista em favor da paz:

"You may say I'm a dreamer, but I'm not the only one.
I hope some day you will join us. And the world will be as one."


Você pode até dizer que eu sou um sonhador. Mas eu não sou o único.
Espero que um dia você se junte a nós. E o mundo será um só.

Labels:

2 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Acho que a Gracia teve um excelente estágio com crianças especiais em Birmingham.Experimentou na pele...Obrigada Gracia...Fazes parte da minha historia...ou foi a...

9:02 PM  
Anonymous Susie Mallett said...

" I understand from what you wrote( courtesy of google langauge tool)
that you are relieved to discover that you are not alone in your beliefs and your visions for the future. That you are not the only dreamer.
Exactly my sentiments. With the recent discussions developing between a few "conductive" bloggers, I don't actually feel like a dreamer anymore. I receive conformation that I am, and probably always have been, on the right track,
It is nice not to be walking the track alone.

2:39 PM  

Post a Comment

<< Home