Educação Condutiva - com amor

Quero escrever sobre Educação Condutiva porque me apaixonei por este método, cheio de amor, que tem atendido aos meus filhos com p.c. Quero descrever o que tenho estudado, aprendido, escutado e sentido ... Tenho a vontade de abraçar o mundo e fazer com que todas as crianças na mesma condição motora de meus filhos, tenham a chance de receber toda esta inteligência, técnica, forma de agir, pensar e sentir, que com todo carinho o Dr. Andras Peto deixou de herança.

Saturday, October 07, 2006

Luria, Vygotsky e Peto


Luria, Vygostky e Peto respeitavam a personalidade holística de cada criança. Estes três estudiosos viam o ser humano como uma pessoa ativa que necessitava de simultânea atividade do corpo-mente. Afirmavam que a passividade e apatia eram (e são) os piores inimigos da criança.
Peto fazia com que suas crianças vivessem em constante desafio à si mesmas, criando um ambiente de oportunidades na resolução de seus problemas, o que os levaram a ter experiências de sucesso.
A dinâmica do grupo e as experiências que este grupo desempenham, favorece o quesito segurança e socialização. Vygotsky e Peto aplicam este conceito, prevenindo assim o isolamento.
Luria e Peto viam na reabilitação de pessoas com um cérebro danificado, a necessidade de um treinamento sistemático e prolongado. Peto ainda incluia que a motivação para a realização de qualquer tarefa é decisiva na sua reabilitação.
Entre outras comparações, estes estudos entre as teorias de Vygotski, Luria e Peto, podem ser encontrados no artigo : " Analogies between the Vygotskian - Luria theory and Peto´s approach (Conductive Education)" escrito por Anita Tatlow em 1997.
A Educação Condutiva tem um papel de constante observador sobre as necessidades de cada criança, modificando sua próxima tarefa assim que ela tenha sido alcançada. As tarefas são todas simples e são comemoradas a cada pequeno avanço. O condutor é um educador disposto, meticuloso, atento e alegre.
A visão holística, que se tem sobre a criança, tendo integrado o social, cognitivo e físico; faz com que perceba-se a interligação destes 'sistemas'. O que quero dizer é que se vê o progresso de uma destas áreas, afetar o progresso de outra. Por exemplo, a participação no grupo leva a uma interação social, que facilita a compreensão cognitiva, por exemplo esperar sua vez, ajudar quem está ao lado passando um objeto, e levando assim também ao desempenho motor.
Esta construção se dá no dia-a-dia da criança, desde o momento que se acorda, até a hora que se vai deitar. O Instituto Peto, impulsionado pelo mesmo, iniciou atendendo crianças destas forma, em sistema de 'internato'. Na mesma sala que elas trabalhavam, elas dormiam. E assim, dia e noite, noite e dia.
Ainda hoje existe esta forma de trabalho, mas a maioria dos atendimentos se dá por até 6 horas diárias. Com o novo posicionamento de 'inclusão social' também se modificou esta idéia, já que as crianças podem ficar parte na educação condutiva e outra parte da escola regular.

2 Comments:

Blogger Cristiana Soares said...

Sensacional, Letícia!

3:38 PM  
Blogger LeticiaBúrigoTK-1288 said...

Cristiana,

Não sou da área de educação, e agradeço o super elogio! ;)

Leticia

5:05 PM  

Post a Comment

<< Home