Educação Condutiva - com amor

Quero escrever sobre Educação Condutiva porque me apaixonei por este método, cheio de amor, que tem atendido aos meus filhos com p.c. Quero descrever o que tenho estudado, aprendido, escutado e sentido ... Tenho a vontade de abraçar o mundo e fazer com que todas as crianças na mesma condição motora de meus filhos, tenham a chance de receber toda esta inteligência, técnica, forma de agir, pensar e sentir, que com todo carinho o Dr. Andras Peto deixou de herança.

Monday, November 19, 2007

Eu: passeando no shopping com meus filhos


Eu estava sentada na praia, observando o mar. Era um dia nublado, sem nenhuma perspectiva de sol. As nuvens fazendo um movimento desordenado no céu. Ora indicando tempo bom, ora indicando chuva. Com o meu olhar no horizonte ía apenas acompanhando aquela linha, que em alguns momentos me parecia completamente reta, outras me dava a noção de que a terra é mesmo redonda, se via um perfeito contorno.

A minha frente apenas pássaros mergulhando em busca de peixe. Eles voavam lá bem alto e mergulhavam com toda sua energia, e eu imagino, a uma profundidade considerável pela força que demonstram ao entrar na água. Em alguns segundos ressurgem do meio das águas, ora com um peixe ativo querendo se soltar, ora com o bico apenas molhado.

Era um momento de reflexão em que me encontrava tranquila, apenas observando. Sem decisões a tomar. Apenas acompanhamento o movimento do céu, das ondas, dos animais, do horizonte, do vento, das plantas, de eu mesma.

Em determinado instante o vento começa a mostrar sua força de forma inesperada. E saindo de quase um transe, sem querer me mover, parecendo que meus pensamentos tinham paralisado também o meu corpo, apenas me levanto. Vários pensamentos surgem para que eu possa tomar uma decisão: vai chover, vou me molhar, o vento será muito forte, vai me derrubar, talvez eu devesse correr, mas quem sabe nem irá chover, só um vento irá passar. De tantos pensamentos contraditórios e ainda naquele estado de imersão, não decido nada, apenas fico de pé.

Um vento forte tráz chuva em velocidade que chega a espetar meu corpo, o céu se transforma completamente, um vai e vém de nuvens negras se instala e fica noite. Os pássaros berram desnorteados querendo alardar quem seja. O mar cresce, percebo água doce e salgada em meus lábios e de olhos fechados, apenas percebo. Sinto como se fosse mesmo uma massa de ar compacta, perdida em seu momento, que se choca em tudo e todos, de forma rebelde e insensata.

Da mesma forma que veio, se foi. Como se um botão fosse apertado. O vento cessa, o barulho do mar se acalenta, a violenta chuva se transforma em carícias de chuvisco. O silêncio se instala.

No mesmo momento os pássaros voltam a pescar, a maré se acalma como se nada tivesse acontecido, a tranquilidade é retomada.

Mas algo está diferente. Sou eu. Somente eu não consigo silenciar as minhas emoções, retomar os meus sentidos, reintegrar o meu ser. A mudança, a dúvida, a controvérsia, a incerteza, o inesperado, a surpresa, o intrigante, o fascinante, o assustador, o perturbador, a raiva, a angústia. A observação que em pouco tempo me fez viver tanto, agora me esvazia. E já não lembrando de como ali cheguei, me entristeço.

2 Comments:

Anonymous JULIANA BARACUHY said...

ASSIM NASCE A POESIA... A SUA É LINDA E EXPRESSIVA. TE ADMIRO, JULIANA BARACUHY.

7:39 PM  
Blogger LeticiaBúrigoTK-1288 said...

Juliana
Que lindo seu momento de me falar, adorei e como muitas vezes, reli meu texto como se fosse novo.
Um beijo com amor,
Leticia

6:55 AM  

Post a Comment

<< Home