Educação Condutiva - com amor

Quero escrever sobre Educação Condutiva porque me apaixonei por este método, cheio de amor, que tem atendido aos meus filhos com p.c. Quero descrever o que tenho estudado, aprendido, escutado e sentido ... Tenho a vontade de abraçar o mundo e fazer com que todas as crianças na mesma condição motora de meus filhos, tenham a chance de receber toda esta inteligência, técnica, forma de agir, pensar e sentir, que com todo carinho o Dr. Andras Peto deixou de herança.

Wednesday, April 11, 2007

Não consigo


Em nosso dia a dia ensino tudo o que posso, dentro e fora das limitações de meus filhos. Às vezes me sinto desconfortável por passar-lhes tanta confiança, mas tomei como propósito deixar que o destino decida se vai lhes dar ou não as possibilidades que eles desejam. Tento mostrar que é possível e deixo a eles avaliar o quão possível cada situação pode ser.

Na condição e maturidade que eles se encontram hoje, unindo com o aprendizado que eles têm nesta idade, às vezes a situação fica ainda mais confusa. Eles ganharam um dvd do Bebê Mais de presente e oportunizei para que eles me dissessem qual o título daquele dvd, uma vez que temos alguns da série. Um de meus filhos tentou e até soltou a primeira letra 'C', do dvd Casa, mas logo se frustrou e começou a gritar: - Eu não consigo! E imediatamente chamou a minha filha para perto dele pedindo que ela lesse pra ele o que estava escrito no dvd. Ela, a solucionadora de todas as dificuldades dele, tem 2 anos.

Tive que explicar que com 2 anos ninguém sabe ler. Acontece que ele generalizou o conceito: eu não consigo muitas coisas que ela consegue. Então ela sabe ler. (Lembro aqui de minhas aulas de Prolog.)

Assim também foi com a retirada das fraldas. Eu levava eles periodicamente no banheiro para que eles sentissem vontade de fazer xixi. E um dia ele me disse baixinho: - Mãe, mas eu não consigo. Ele na verdade não estava com vontade, e generalizou para o eu não consigo. Até que um dia ele me disse que não precisava leva-lo a todo momento no banheiro: - Eu vou avisar quando tiver vontade.

Não consigo, não posso, não aprendi, não tive oportunidade, não entendi, não quero, não desejo, não tenho vontade, não sei. Às vezes parece tudo igual, mas temos que ensinar, explicar e exemplificar cada um. E mais do que isso, acreditar nos nossos sonhos.

2 Comments:

Blogger Eugenia said...

Letícia,

A primeira vez que Bia expressou que queria andar como as outras crianças( e foi literalmente dito desta forma)eu percebi que jamais seria eu(mãe) que diria a ela que,pelo menos naquele momento,ela não podia,ou melhor não tinha essa possibilidade.Descobri que quem vai ou não dizer a ela isso é a vida.Eu vou dizer;"-Então vamos tentar?Como eu posso te ajudar?Vou te ajudar a descobrir o "teu andar"
Assim,acalmei meu coração e tenho certeza ajudo-a a encontrar a sua identidade nos seus acertos,diferenças e até no seu não consigo dessa forma ou não consigo ainda.
E vivemos assim diariamente...acreditando!!!
Um grande beijo,
Eugenia

6:50 PM  
Anonymous Anonymous said...

Ai Eugenia,

Muito obrigada por este seu comentario de comunhão. Algumas vezes me sinto desconfortável por não dizer, mas sim deixar eles perceberem as respostas da vida.

E vivo assim, diariamente, acreditando!

Um beijo com muito amor,
Leticia

7:24 PM  

Post a Comment

<< Home